Amigas do Peito

\”Alice primeira mamada Eloise\”

Antes que ela chegasse, eu tinha uma certeza: queria que o momento do nosso encontro fosse especial, e que fosse ali logo após o seu nascimento, assim que saísse da minha barriga. Antes do dia esperado eu fui ao pediatra que estaria presente, combinei tudo. Pedi que ele me deixasse amamentar no primeiro momento!! Então enquanto costuravam minha barriga, após uma cirurgia que eu não queria mas não teve como ser de outro jeito, recebi aquele pacotinho rosa, como um presente, e a boquinha veio para o meu peito, eu ali deitada, meio sem jeito, mas pude sentir sua pele, seu cheirinho, e ela sentiu o meu, e não me largou mais. Quando não estava tomando banho ou trocando fralda, estava no meu peito. Se eu tirasse, ela chorava! E agora meu Deus?? Eu olhava pro peito e saía colostro. Era um líquido transparente, pouquinho.. e ela chorava horrores se saísse de perto do peito. Com uma semana de vida, 7 dias exatamente, eu comecei a pensar que não tinha leite, porque afinal leite é branco, e não tinha nada branco saindo do meu peito, e a minha filha chorava desesperada se saísse do peito! Uma enfermeira me disse que ela estava desidratada e que eu deveria dar um complemento, afinal isso “não tem problema nenhum, todo mundo toma”, mas eu me recusei a acreditar nisso, sabia que podia ter outra solução. Telefonei pra uma amiga, que me disse pra me acalmar, que era assim mesmo, que às vezes o colostro podia demorar mais para virar “leite”, que eu relaxasse porque aquelas gotinhas que eu não estava dando valor tinham muitas calorias e muita proteção pra minha filha.. Fui dormir relaxada. No meio da noite acordei com o sutiã molhado! No dia seguinte o peito estava com leite, bastante leite.. Alice mamava, arrotava, botava leite pra fora.. estava sobrando, saindo pelo ladrão.. Depois desse momento tivemos mais alguns probleminhas como meu peito que rachou, doeu, mas depois cicatrizou. A outra questão foram os vômitos, como voltava leite! Foi uma maratona até achar o pediatra em quem eu confio, que me explicou que era normal aquela vomitação toda, que ela estava bem, crescendo, se desenvolvendo, e eu não precisava me preocupar pois isso melhoraria com o tempo. Realmente, aos dois meses o troca-troca de roupas e lençóis vomitados acabou! Ufa! Depois que ela fez seis meses a gente continuou com as mamadas.. era gostoso chegar do trabalho e me agarrar com aquela filhotinha mamífera.. e depois de manhã. Tive que mandar leitinho pra creche no começo, mas foi pouco tempo, logo ficamos no esquema de mamar enquanto estava comigo, comer frutas, legumes e comidinhas enquanto estava na creche. Então eu engravidei da segunda filha, a Sarah, e continuei amamentando, tudo certo! Pediatra e obstetra, ambos me tranquilizaram. Mulher grávida pode amamentar SIM!!! Só não pode se for gravidez de risco, ao ponto de não poder nem transar.. porque a ocitocina liberada na relação sexual é maior do que aquela liberada com a amamentação! Ela só parou depois dos três meses de gravidez, reclamando do sabor do leite. E a história continua.. Sarah fará 2 anos em outubro e adora tomar seu leitinho quando acorda, antes de dormir, e sempre que dá!

Depoimento de Eloise Barreto, mãe da Alice e da Sarah e voluntária das Amigas do Peito.

Vídeo da Primeira Mamada da Alice, no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=cWfkq61EhFM